26 de julho de 2017

Rotina

Depois de um fugaz 
período de férias 
Retorna a rotina universitária 
Os olhos se voltam aos estudos 
Teóricos e Metodológicos
Com todo o rigor científico da função
Escasseando o tempo para ler literatura,
Ouvir música e escrever
Sobretudo teclar e passear contigo
Sem embargo, jamais faltará tempo para pensar em você.

Gabriel Dalmolin

25 de julho de 2017

Saudade

Saudade é uma palavra única
Capaz de traduzir aglomerações de sentimentos nostálgicos
Não é atoa que seja uma palavra 
Que só exista no português
Sem nenhuma outra equivalente 
Dentre tantas línguas no mundo
Saudade é o que sinto quando estou longe de você
Enquanto isso fico há espera
Do momento mais oportuno
Para te ver novamente
E saciar esse saudosismo 
Por meio de um grande abraço!

Gabriel Dalmolin

Doçura de Moça

Moça doce e serena
Tranquila e sonhadora
Lutando por seus sonhos
Sem jamais pisar em ninguém
Sempre pensando no outro
Cuidando para não ferir o sentimento alheio
Guardando tudo que sente para si
Ocultando suas mágoas em seu coração
Até o dia que encontrar alguém diferente,
Que possa contar todas as suas dores
E que lhe traga paz, amor e carinho.

Gabriel Dalmolin

Amor Visceral

Dois corpos, um só coração;
Atrelados pelo fogo da paixão.
Violenta e arrebatadora;
Mas também suave e encantadora.

Em meio a tanta timidez;
Propagou-se com rapidez.
Unindo duas almas intrinsecamente;
Infinitamente.

Amor jovem e visceral;
De proporção global.
Contavam estrelinhas;
Faziam cosquinhas.

Brigavam;
E se perdoavam.
Por que no final das contas era amor;
Amor de doce sabor.

Gabriel Dalmolin

Entre o céu e o inferno

Às vezes e sinto fragilizado
Como um germe em meio a uma vacina letal
Quando tudo parece estar elevado aos céus 
Algo me puxa de volta ao inferno
Entre alegrias e tristezas
Surge uma pessoa improvável para me salvar
Com sua beleza encantado
Seu jeito simples e romântico
Transformou meu inferno pessoal
Em um mundo colorido...
Tocando os céus em sua companhia.

Gabriel Dalmolin

Criaturinha

Ela era toda insegura
Tinha medo de se impor
De mostrar sua inteligência fascinante
De deslumbrar com sua beleza por onde passa
De preencher o mundo com sua fofura
Medo de errar
E como uma romântica excêntrica,
Sofria com sua imperfeição 
Mas acredite, ninguém é perfeito
Mas talvez, para alguém
Você seja a criaturinha
Mais próxima da perfeição

Gabriel Dalmolin

Declaração

Passam-se dias 
Passam-se meses 
E o que sinto por ti fica cada vez mais forte...
Sonho constantemente com teu belo rosto;
Com teu sorriso, teu olhar...
Cansado de me esconder por detrás de versos livres
De escrever na terceira pessoa
Disfarçando todo esse sentimento que guardo comigo
Essa paixão ardente
Que me derrete, cada vez que te vejo
Quero ter você junto de mim
Quero sentir o sabor dos teus lábios
De novo e de novo
Quero tocar em sua pele e sentir o calor da sua ternura
Ouvir nossos corações saltando para fora da boca...
Mas tudo isso precisar ser selado um gesto único de afeto:
-Me concedes a honra de beijar-te?

Gabriel Dalmolin

3 de julho de 2017

Equação

Sinto muita vontade de poder dizer-te a verdade
Falar com todas minhas energias o que sinto por você
Apagar o fogo candente que incendeia meu coração
E a agonia do medo de perder-te de vez ao apagar essa chama
Jogando um balde de água fria em minhas expectativas
Mas sinto lá no fundo do meu peito uma leve impressão
De que sentes o mesmo por mim...
Talvez seja loucura desse jovem espírito
Doido por afeto e carinho
As probabilidades de fracasso são sempre maiores,

Mas não vou desistir até solucionar essa equação.

Gabriel Dalmolin

Perdedor

Estou cansado
Estupefato
De esperar
Chegar meu dia
Vejo casais de mãos dadas
O tempo inteiro,passando pela estrada
Enquanto fico no banco da praça
Só observando
Farto de tanta desilusão
De tantos planos darem errado
Depois de semanas esperando
Tudo ir por água baixo
Pela milésima vez
Esta é a sina de romântico incorrigível
Métodos arcaicos que nunca levam a nada
Paciência chegando ao limite
Cansado de perder em tudo
No jogo
No amor
Na vida como um todo
Estarei fadado a carregar para sempre esse rótulo de perdedor?
Quando algo de extraordinário ocorrerrá para minha vida mudar de patamar?
Cansei de só fazer o bem
E nada receber
Algo que contrapõe toda minha essência
Questiono:
Quando me tornarei feliz?
Quando beijarei novamente?
Quando verei meu time jogando com garra como nos velhos tempos?
Quando farei algo bem feito?
Sei que falhei e pequei diversas vezes
Agora chove e minha situação só piora...
É hora de pegar minha bicicleta e pedalar
Me impondo contra o vento gélido
Lutando pela sobrevivência do meu ser.
Esperando minha redenção
Uma luz em meio a tudo
Que acabe com minha alcunha de perdedor

Gabriel Dalmolin

Nascer do dia

O dia nasce
O sol se põe 
A lua acorda
E logo dorme
Um dia novo surge
E aprecio a doçura da natureza
Da mesma forma que me apaixono
Pela beleza do teu sorriso
Sinônimo de pureza
Finto teus olhos
E enxergo teus profundos sentimentos
Que como as estrelas são repletas de ternura
Queria poder capturá-las para te dar de regalo
Junto numa caixa vermelha, onde está meu coração
Pediria em troca apenas duas coisas:
1)A pureza do teu sorriso
2)E a ternura do teu olhar
Então poderia sangrar até a morte
E partir para o além vendo tudo de mais precioso que há neste mundo:
-Você

Gabriel Dalmolin

Reino Animal

Que belo é o reino animal
Cada qual com sua beleza particular
Com suas falas e sons específicos:
A abelha zumbe
O boi moge
O burro zurra
A cabra berra
O cachorro ladra
O cavalo relincha
A cobra sibila
O corvo crocita
A galinha cacareja
O gato mia
O grilo cricrila
O leão ruge
O lobo uiva
A ovelha bala
O passarinho pipila
O pato grasna
O peru gruguleja
O pombo arrulha
O porco grunhe
O sapo coaxa
O tigre ronca
O urso brame
E o ser humano?
Grita, xinga e reclama...

Gabriel Dalmolin

24 de junho de 2017

Terceira Pessoa

Conversa vai, conversa vem
Eles trocam mensagens virtuais
Sempre com muito carinho;
Sempre com timidez;
Sempre na Terceira Pessoa;
Talvez tenham medo de abrir seu coração:
Falar que querem um ao outro
Expressar como se sentem quando estão lado a lado
Como sentem um frio na barriga
Como suas respirações ficam trêmulas
E seus corações começam a disparar
Única coisa certa é o rosto vermelho da vergonha
E a certeza que continuarão escrevendo na Terceira Pessoa
Escondendo a real fonte de tais sentimentos
Eles mesmos...
Um ao outro!

Gabriel Dalmolin